Rede de Montagem e Assistência Técnica POM

O cliente espera um bom serviço, não está interessado em assuntos paralelos. Não diminua o produto, nem o profissional anterior, caso exista um.

Portal do Montador ME - Anúncios de Montadores

PortaL do Montador ME - Montador, anuncie em espaço prático, dedicado exclusivamente à divulgação de serviços de montagem de móveis em todo o Brasil.

Montador de Móveis Credenciado POM Brasil

A realização de um bom trabalho vai além do resultado final. Um profissional de sucesso realiza suas atividades com cuidado, organização e planejamento.

Montadores de Móveis Profissionais

A boa montagem nasce de um projeto bem feito, matérias-primas adequadas, processos de fabricação padronizados e principalmente de um montador de móveis capacitado.

Montagem, Desmontagem e Remontagem de Móveis

O consumidor precisa aprender a distinguir montadores de móveis profissionais e montadores de móveis eventuais. Por melhor que seja o produto, corre-se o risco de danificá-lo.

Montagem de Móveis Corporativos e Residenciais em diversas cidades do Brasil
Orçamento montador de móveis POM
 

4/26/2015

Móveis Corporativos: Montagem de pisos elevados é uma tarefa para poucos montadores!

Montadores de móveis corporativos especializados em pisos elevados são disputados em grandes cidades

Montadores de Pisos Elevados Móveis Corporativos
Montagem de móveis corporativos é uma especialidade desafiadora para o montador de móveis profissional. Notamos que parte deste desafio vai além da montagem propriamente dita, a qual não chega a ser das mais complexas.

Na verdade, o desafio vem da variedade de habilidades exigidas para o montador de móveis. Uma primeira pergunta básica: Quantos montadores de móveis profissionais sabem "crimpar" um cabo de rede (RJ54) padrão ethernet de 8 vias par trançado? 

Não é difícil, basta conhecer o padrão da fiação e ter a ferramenta adequada. Mas afinal de contas, o que este tipo de conhecimento traz de oportunidade? Muito mesmo meus companheiros, você será requisitado e valorizado pela equipe de informática presente no local de instalação dos móveis corporativos. Será um profissional necessário além da montagem, e isto vale ouro!

Se além disso souber usar um multímetro, subiu outros preciosos pontos na escala de valor profissional. Poderá ajudar ainda mais, testando a fiação junto com estes profissionais. Claro que não precisa chegar ao ponto de conhecimento de um técnico eletricista, mas saiba que estes diferencias são extremamente valorizados e mais, são capazes de transformar a maneira pela qual os talentos envolvidos na adequação de um ambiente corporativo te reconhecem.

Particularmente conheço zeladores e responsáveis pela manutenção de condomínios empresariais com excelentes salários, que iniciaram a vida como montadores de móveis e hoje fazem muito mais do que acreditavam ser capazes. Conhecimento adquirido é algo que na pior hipótese, só faz bem...

Quem trabalha com pisos elevados precisa entender algumas particularidades, hoje em dia existem muitos conectores de fibra óptica, mesmo em instalações comerciais para cerca de 25 estações de trabalho. A tecnologia barateou muito e dependendo do fluxo de informações já desbanca os cabos ethernet em algumas aplicações.

Poucos sabem, mas com a evolução tecnológica dos pisos elevados, já se utiliza este espaço para passagem de dutos de ar condicionado inclusive, aplicação anteriormente limitada aos forros e estruturas em elevação. O montador de móveis precisa entender que o piso elevado fica apoiado sobre os chamados pedestais, que podem ser do tipo fixo ou regulável. O tipo fixo como o próprio nome diz, varia em geral de 7 a 15 centímetros de elevação, o que garante espaço mais que suficiente para a adequação o ambiente corporativo. 

A vantagem dos pedestais reguláveis (mais caros) aparece quando o piso arquitetonicamente original apresenta desníveis que não serão corrigidos. Neste caso a economia obtida na preservação do piso original justifica a diferença de preço em caráter comparativo.

A eficiência e funcionalidade estrutural deste tipo de piso são obtidas pelo intertravamento dos pedestais, que conferem com isso a desejada estabilidade horizontal e vertical do piso elevado, proporcionando um ambiente corporativo com modularidade, estabilidade e capacidade de upgrade tecnológico sem a necessidade de obras estruturais. 

Uma vez optado pelo piso elevado, a empresa estará amparada por uma capacidade de flexibilização do layout corporativo jamais sonhada, o empresário sabe que a rápida adaptação à novos processos é uma poderosa arma na busca da competitividade, ainda mais isto acontecendo com quase nenhum custo adicional além de mão de obra.

Mas enfim, o que interessa neste post é demonstrar ao montador de móveis a importância de conhecer novos horizontes. Alguns agem calados, absorvendo estes diferenciais e transformam o destino de seu futuro profissional, outros preferem ficar apenas no básico. Estamos aqui para respeitar ambas opiniões, porém com a obrigação de mostrar que o mercado de trabalho para um montador de móveis é do tamanho que ele possa desejar.

Em termos de arquitetura, atualmente o acabamento dos pisos elevados incorpora inclusive porcelanatos, diferente das antigas placas estruturais. Existem também placas de polipropileno reciclado, com excelentes características termoplásticas e ainda com o apelo ecológico do aproveitamento. Estes ainda possibilitam facilidades de recorte e instalação das caixas de conexão ou tomadas.

Certamente que a grande maioria dos montadores de móveis nunca pararam para observar de perto este mercado da montagem de pisos elevados. Mas os montadores de móveis corporativos possuem uma maior proximidade com este tipo de solução tecnológica, quase que exclusivamente adotado em edifícios e condomínios empresariais.  Por este conhecimento, tais montadores hoje desfrutam da vantagem que a informação traz. Participam de um nicho de montagem seletivo, onde são disputados e valorizados.


Sucesso a todos!

Cláudio Perin

4/13/2015

Dobradiças de Caneca (Parte IV - Final): Tipos de calços, aplicações e regulagem na montagem de móveis

Dobradiças de Caneca: Os dispositivos atualmente mais difundidos nas portas dos móveis residenciais e comerciais (Parte IV - Final)

Dobradiça de Caneca
Chegamos ao último post de nosso série sobre as dobradiças de caneca. Após detalhar diversos aspectos sobre este importante acessório largamente difundido em móveis convencionais, corporativos (móveis para escritório), planejados e até mesmo em instalações comerciais, chegou o momento de concluir o assunto que mais afeta o montador de móveis, a regulagem das portas.

Desenvolvido o assunto, neste momento o montador de móveis já compreende o que é folga e recobrimento de porta, os dois grandes referenciais da regulagem de dobradiça a ser efetuada. A ideia é que a regulagem consiga representar tanto folgas como recobrimentos uniformemente distribuídos, mas isto exige que o móvel esteja em seu esquadro perfeito.

Com relação ao esquadro, o móvel poderá não estar corretamente alinhado se o piso local é irregular, se os fundos foram pregado de maneira imprecisa ou ainda se as próprias peças não foram esquadrejadas no processo de fabricação. Isto reforça a necessidade de dobradiças com recursos de regulagem.

O adequado posicionamento das portas ocorre através do ajuste nos parafusos de regulagem existentes nos calços das dobradiças, uma vez que a função da caneca é encaixar e sustentar a porta, suportando seu movimento de abertura.

O procedimento de regulagem consiste basicamente de 3 etapas, sendo que algumas dobradiças não possuem todos os recursos (parafusos) necessários ao ajuste total. Uma dobradiça com regulagem total admite movimentos de avanço de profundidade (para frente e para trás), avanço horizontal (para os lados) e avanço vertical (para cima e para baixo).

Movimentos de Regulagem da Dobradiça1) O primeiro passo para a regulagem inicia-se pelo ajuste da dobradiça verticalmente. Você pode precisar fazer isto em todas as dobradiças da porta de uma vez. Afrouxe os parafusos superiores e inferiores e mova a porta para cima ou para baixo como necessário, apertando bem os parafusos novamente. Segure a porta ao afrouxar os parafusos, ou ela pode deslizar completamente de sua posição inicial.

2) O segundo passo é ajustar a profundidade da dobradiça para dentro ou para fora. Afrouxe este parafuso e mova a porta de acordo com a profundidade desejada para o ajuste. Tente ajustar nesta direção uma dobradiça de cada vez. Vai ajudar a prevenir que o peso da porta mova ela para muito longe do ajuste desejado. Apoie a porta, especialmente se afrouxar todos os parafusos de ajuste horizontal de uma só vez.

3) O terceiro passo consiste na regulagem propriamente dita através do parafuso mostrado na figura ao qual move a dobradiça diretamente. Aperte-o (girando no sentido horário) para mover este canto da porta em direção ao quadro; afrouxe (anti-horário) para mover a porta para longe do quadro. Este ajuste pode também ser usado para corrigir uma porta que não está pendurada direito. Se a parte de cima estiver mais distante para a direita ou esquerda que o fundo, ajuste as dobradiças de cima ou de baixo separadamente para corrigir a falha.

Regulagem da Dobradiça de CanecaAgora algumas dicas valiosas durante a regulagem:

  • O ajuste deve ocorrer nas diferentes direções de maneira independente, principalmente na regulagem inicial, cujo objetivo é apenas uma primeira aproximação.
  • O ajuste das dobradiças precisa ser executado de forma gradual. O montador precisa fazer a verificação do resultado após cada volta no parafuso.
  • Ao final o montador de móveis precisa conferir se os parafusos que estão nos buracos com fendas (para os ajustes horizontais e verticais) estão firmes ao final da regulagem. Lembre-se, estes parafusos são os responsáveis simultaneamente pela regulagem bem como por suportar o peso da porta.
Concluído o processo de regulagem é importante abrir e fechar as portas, assegurando-se que tudo está conforme o que era de se esperar em um produto bem montado com as portas devidamente reguladas.


Sucesso e bom uso deste material


Cláudio Perin

4/11/2015

Dobradiças de Caneca (Parte III): Tipos de calços, aplicações e regulagem na montagem de móveis

Dobradiças de Caneca: Os dispositivos atualmente mais difundidos nas portas dos móveis residenciais e comerciais (Parte III)

Calço para Dobradiças
Prosseguindo com o tema de nosso post anterior, obviamente que toda dobradiça necessita de um calço para ser fixada na lateral do móvel, e um detalhe que ajuda muito na hora de sua instalação é saber qual calço utilizar. 

Os calços são planos simples ou em ângulos, com várias possibilidades de fixações e regulagens. Cada dobradiça tem um tipo especifico de calço que a complementa, o qual geralmente possui de 3 a 4 medidas disponíveis com alturas que variam  normalmente mas não obrigatoriamente entre 0 e 8 mm.

Algo importante à saber sobre os calços, é que quanto mais alto é o calço em relação à lateral do móvel, menor é o recobrimento da porta em relação à lateral do mesmo. Um dos modelos de calço mais difundido é o do tipo Clip, normalmente plano.

Calços Lineares

Na figura à seguir, observamos em uma vista lateral, praticamente o mesmo calço, porém com diferentes parafusos de fixação.

Vista Lateral - Calços Lineares

Algumas aplicações mais complexas de montagem exigem mais do que os calços lineares poderiam oferecer, somente sendo possíveis com a utilização de calços angulares.

Calços Angulares
Os calços angulares conseguem resolver técnicas de montagem onde não seria possível a aplicação de calços lineares (planos).  Tais montagens normalmente ocorrem em módulos de canto. Os calços angulares são apelidados genericamente pelos montadores de "cunhas". Na verdade são calços angulares somente.

Para falar sobre as verdadeiras cunhas, entramos em um complemento do calço, denominado sobre-calço ou então simplesmente cunha, posicionada imediatamente abaixo do verdadeiro calço.

As diferentes possibilidades de braços de dobradiça existentes, combinadas com as diferentes medidas dos calços, complementadas pelas medidas de posição da dobradiça, aliadas aos sobre-calços, possibilitam diversos recobrimentos de acordo com a espessura do tipo de painel utilizado na porta.

Parece confuso, não? Mas é simples: Somados estes 3 elementos, dobradiças, calços e sobre-calços, temos um variado leque de possibilidades de montagens, folgas e coberturas, que trataremos à seguir.

Chegamos no momento de fazer contas. Para facilitar a vida de todos vamos disponibilizar uma tabela simples para calculo de recobrimento de portas.

Fórmula para o Cálculo de Recobrimento de Portas

Cálculo de Recobrimento

Para efeito de uma melhor compreensão dos objetivos dos cálculos, segue abaixo o resultado com os recobrimentos mais usuais encontrados nos móveis convencionais.


No próximo e conclusivo post estaremos finalizando este assunto apresentando os procedimentos de regulagem de portas e dobradiças através dos parafusos ou mecanismos de regulagem existentes.


4/04/2015

Dobradiças de Caneca (Parte II): Tipos de calços, aplicações e regulagem na montagem de móveis

Dobradiças de Caneca: Os dispositivos atualmente mais difundidos nas portas dos móveis residenciais e comerciais (Parte II)

Dobradiça de Caneca - Portal do Montador
Dando continuidade ao post anterior, não abordaremos as dobradiças do tipo olhal, dado que sua aplicação difere de nossos interesses, sendo entretanto largamente utilizadas na construção civil.

O mercado também dispõe de um modelo de dobradiça de caneca considerado mais sofisticado, o Clip.

Com este tipo de encaixe, o profissional da marcenaria faz a fixação, regula toda a porta e depois, pode retirá-la deixando para finalizar a montagem no próprio local onde o móvel permanecerá, tudo isso, sem perder a regulagem efetuadas.

Os encaixes tipo Clip oferecem mais rapidez e agilidade na colocação, entretanto o fator preço deve ser considerado. Este tem sido um fator de sua pequena utilização nos móveis convencionais seriados populares.

As dobradiças possuem uma padronização de diâmetro das canecas, sendo portanto oferecidas em 3 medidas principais, 26 mm, 35 mm e 40 mm. A profundidade da caneca de uma dobradiça pode variar conforme seu diâmetro, tipo de fabricante e tipo de uso. As dobradiças para perfil de alumínio se diferenciam apenas pela maneira de fixação, pois seu perfil é mais estreito. A capacidade de carga e a regulagem são as mesmas.

Portas de vidro são um caso à parte dentro das dobradiças de caneca, visto que não falamos em profundidade da caneca e sim em espessura do vidro, embora a engenharia da caneca seja substituída, o sistema construtivo do corpo normalmente se mantém.

Dobradiça para porta de VidroAlém da medida do diâmetro, outra característica importante é o ângulo de abertura, que costuma variar de 94° a 165°. A função do ângulo de abertura é facilitar o acesso para dentro do s móveis, como no caso dos armários de canto, que requerem uma abertura de porta diferenciada para o acesso interno.

Tomando como exemplo um armário com um gaveteiro interno, a existência de um ângulo de 110° já é confortável para abrir as gavetas sem correr risco de bater nas portas do armário. O ângulo de abertura com 165° normalmente aplica-se em para armários com gavetas, corrediça telescópica ou espelhos na porta do armário, o de 270° é indicado para armários de escritório com corrediça de pasta suspensa onde além do giro ocorre o movimento basculante.
Dobradiça de Caneca - Ângulo de AberturaDentro das características técnicas das dobradiças, existem aquelas utilizadas em armários de canto ou qualquer aplicação que exija um ângulo de fechamento entre a porta e o montante (lateral ou divisória) diferente de 0° (porta alinhada) ou 90° (porta no topo). Para este caso existem dobradiças com ângulos especiais. Os mais comuns encontrados no mercado são:


  • A +30°  para armários com ângulo de 120º entre a porta e o montante
  • A +45°  para armários com ângulo de 135º entre a porta e o montante
  • A -45°   para armários com ângulo de 45º entre a porta e o montante
Dobradiça - Ângulo da CanecaO ângulo -45° pouquíssimo conhecido, possui aplicações limitadas, dado o baixo aproveitamento de espaço interno que oferece ao mobiliário. Entretanto possibilita soluções interessantes na modulação de espaços específicos com geometria complexa, normalmente exigidos no design mais elaborado de interiores onde não se deseja o uso de cantoneiras, por exemplo.

Uma característica fundamental da dobradiça de caneca está relacionada com sua capacidade de carga (o peso de porta que é capaz de sustentar). O número de dobradiças necessário para cada porta não pode ser generalizado, é preciso fazer contas e verificações práticas.

As variáveis mais importantes são altura, largura e o peso da porta. Em casos especiais como armários com espelhos e portas diferentes do usual recomenda-se efetuar um teste de montagem. Com relação às portas fabricadas em MDP e MDF, recomenda-se utilizar a quantidade de dobradiças especificada no gráfico à seguir.



Para casos diferentes do exposto, os fatores que efetivamente contam variam muito de caso para caso. Por isso, as quantidades indicadas no gráfico deverão ser entendidas como meros valores de referência. Em caso de dúvida, é aconselhável fazer um teste de montagem para experimentar, ou então optar por aplicar mais dobradiças.


Dobradiça com Pistão
Em relação ao fechamento da porta, no momento da atuação de mola da dobradiça, encontramos variantes interessantes sobre o mesmo tema com o objetivo de reduzir ou ruido ou suavizar a velocidade de fechamento através do amortecimento do movimento. Alguns casos com molas de atuação sofisticada também oferecem movimentos suaves e uniformes.

OS sistemas mais caros existem nas dobradiças dotadas de pistão hidráulico ou à gás e mecanismos externos como o TIP ON que atenuam o fechamento bem como expulsam a porta quando comprimidos, neste caso a utilização segue em conjunto com dobradiças sem o CLIC de fechamento.

Tip OnObserve que o uso do TIP ON exige furações complementares nos elementos que serão usados como batentes das portas. O grande charme do sistema TIP ON é a possibilidade de abrir a porta exercendo uma leve pressão sobre a mesma. O BLUEMOTION é um mecanismo de amortecimento mais elaborado, mas que segue o mesmo conceito de atenuação do movimento..



4/02/2015

Dobradiças de Caneca (Parte I): Tipos de calços, aplicações e regulagem na montagem de móveis

Dobradiças de Caneca: Os dispositivos atualmente mais difundidos nas portas dos móveis residenciais e comerciais (Parte I)

Dobradiça de Caneca - Portal do Montador
Montadores de Móveis do Brasil, continuando com nossa proposta pela busca na qualidade da montagem, abordaremos neste post com maior profundidade, um tema valioso que muitos de vocês embora conheçam diariamente na prática, nunca observaram com riqueza de detalhes na teoria, as dobradiças.

Os dois principais tipos atualmente disponíveis no mercado são as dobradiças de pressão mais conhecida como “dobradiça de caneca” e as dobradiças pivotantes, usadas basicamente em portas que necessitam de um grande ângulo de abertura ou necessitam ser “invisíveis”. Especificamente neste post, trataremos das "Dobradiças de Caneca", que são classificadas em três nomenclaturas distintas, de acordo com o engate do braço no calço de fixação:
  • Dobradiça de olhal - com encaixe superior através de orifício de ajuste;
  • Dobradiça de engate rápido (Slide On ou deslizante) - com encaixe por trás através de abertura com garras;
  • Dobradiça clip - com encaixe fácil através de dispositivo de engate.
Saber as distinções de funcionalidade entre elas é algo nem sempre fácil, caso o montador não esteja familiarizado com suas respectivas características técnicas. A escolha das dobradiças está diretamente relacionada à qualidade e durabilidade que se pretende dar ao móvel, uma vez que elas estão entre os componentes mais solicitados no uso diário.

diferença básica entre os tipos de dobradiças de caneca disponíveis no mercado é a quantidade de regulagens que possibilitam. Obviamente que encontramos complementarmente as que contém algum tipo de sistema integrado. Ilustrativamente podemos citar as que incorporam dispositivos de amortecimento, as com variação na forma de fixação do calço e as que apresentam até mesmo outras facilidades distintas.
  
 As dobradiças de caneca são popularmente difundidas por:
  1.  Dispensar o uso de fechos nos móveis
  2.  Dispensar a fixação em topos de porta
  3.  Permitir que a dobradiça seja embutida no móvel ainda conferindo regulagens na porta
Entre os modelos mais comuns de dobradiças de caneca (pressão) estão a Reta ou Baixa, a Curva ou Alta e a Super Curva ou Super Alta (também chamada de Embutir). Existe adicionalmente uma variedade considerável de dobradiças com funções especiais disponíveis no mercado, o que torna extremamente importante aprender e entender os diferentes cenário de uso ou aplicação destas ferragens.

As dobradiças com sistemas de amortecimento (uma tendência bastante atual, pois evitam ruídos e garantem suavidade no fechamento) são um bom exemplo de aplicação do sistema integrado. Temos também as dobradiças com controle da tensão da mola, que permitem que se regule a força de fechamento da porta, sendo este um cenário bastante recorrente.

Complementarmente, existem dobradiças com formas de fixação especiais, como as de caneca expansível, que usadas em conjunto com um calço linear, permitem que se esconda os parafusos de fixação. Na figura à seguir, exibimos uma das dobradiças de caneca mais difundidas no mercado, com o sistema de encaixe rápido (Slide On).

A grande vantagem deste encaixe (slide on) é que o profissional da montagem pode colocar todas as dobradiças ao mesmo tempo e depois fazer a regulagem e a fixação. Subdividindo-se ainda as dobradiças de caneca de engate rápido, existem basicamente 3 variantes dentro deste grupo, relacionadas ao posicionamento das portas em relação às laterais dos móveis.


Reta (Baixa) - Ideal para uma porta totalmente sobreposta ao montante do móvel. Na maioria das vezes este tipo de dobradiça é utilizado em armários de cozinha;

Cobrimento máximo, 0 mm de curvatura A porta fica diante do lado do corpo do móvel, deixando lateralmente uma folga mínima, apenas suficiente para garantir a abertura da porta em segurança. Em alternativa, pode-se optar pelo cobrimento total da porta (máx. 19 mm). Neste caso, deverá ser deixado de lado um espaço suficiente para a folga mínima requerida.

Curva (Alta) - ideal para porta parcialmente sobreposta ao montante do móvel. Normalmente são utilizadas em dormitórios e em móveis onde as duas portas abrem no meio;

Cobrimento parcial, 9,5 mm de curvatura Neste caso, há duas portas diante de um painel central, a folga total requerida entre eles. Isso significa que em cada porta há um menor cobrimento e que são usadas dobradiças curvadas.


Super Curva (Super Alta) - porta embutida no montante do móvel

Trabalhar por dentro, 16 mm de curvatura. A porta está localizada dentro do corpo do móvel, ou seja, junto ao lado do corpo do móvel. Também aqui, é necessária uma folga que permita uma abertura segura da porta. São usadas, neste caso, dobradiças com uma curvatura acentuada.



Opções de Montagem de Portas:


A folga mínima, também chamada deflexão de porta, é o espaço necessário para abri-la. Esta folga depende da distância da base, da espessura da porta e do tipo de dobradiça.

Portas com arestas arredondadas reduzem a folga exigida. A folga é apresentada em uma tabela fornecida para cada tipo de dobradiça. Para configurações de cobrimento parcial, a folga total entre as portas deve corresponder a duas vezes a sua folga. Ambas as portas podem ser abertas simultaneamente.


Para configurações de recobrimento parcial, a folga total entre as portas deve corresponder a duas vezes a sua folga. Ambas as portas podem ser abertas simultaneamente. 

Parte II - Continua no próximo post...