Rede de Montagem e Assistência Técnica POM

O cliente espera um bom serviço, não está interessado em assuntos paralelos. Não diminua o produto, nem o profissional anterior, caso exista um.

Portal do Montador ME - Anúncios de Montadores

PortaL do Montador ME - Montador, anuncie em espaço prático, dedicado exclusivamente à divulgação de serviços de montagem de móveis em todo o Brasil.

Montador de Móveis Credenciado POM Brasil

A realização de um bom trabalho vai além do resultado final. Um profissional de sucesso realiza suas atividades com cuidado, organização e planejamento.

Montadores de Móveis Profissionais

A boa montagem nasce de um projeto bem feito, matérias-primas adequadas, processos de fabricação padronizados e principalmente de um montador de móveis capacitado.

Montagem, Desmontagem e Remontagem de Móveis

O consumidor precisa aprender a distinguir montadores de móveis profissionais e montadores de móveis eventuais. Por melhor que seja o produto, corre-se o risco de danificá-lo.

Montagem de Móveis Corporativos e Residenciais em diversas cidades do Brasil
Orçamento montador de móveis POM
 

7/27/2015

Qualidade e Preço da Montagem: Um fenômeno que o cliente precisa observar antes de decidir

Qualidade da Montagem e Preço: O que o cliente precisa saber ao contratar um montador

Montadores quanto á qualificação Profissional
Montadores de móveis, entramos em um momento onde o fator preço sem sombra de dúvidas fará a diferença tanto na aquisição de produtos como de serviços dentro do contexto de nossa economia.

O cliente mais do que nunca encontra-se com recursos financeiros limitados, porém não apenas por isso estará decidindo exclusivamente pelo serviço mais barato.

Tudo o que o cliente precisa é de argumentos para que compreenda claramente o que está pagando como diferencial e desta maneira, decida racionalmente se precisa ou não deste diferencial embutido no preço.

A primeira e mais importante consideração passa necessariamente pela qualidade na montagem. Muitos montadores de móveis profissionais não estão preparados para esclarecer ao cliente o que seria uma montagem com ou sem qualidade. Apenas à título de curiosidade, o fundo de um roupeiro que utiliza chapa fina, precisa ser instalado com 1 prego tipo 10 mm a cada 20 centímetros, isto é um padrão (mínimo) dos fabricantes, que colocam no kit de acessórios quantidade suficiente para 1 prego a cada 10 cm (o dobro do mínimo).

Aqui já começa um grave indício da falta da qualidade na montagem, montadores menos qualificados (intencionalmente?) utilizam uma quantidade bem menor de pregos para terminar o serviço mais cedo e ganhar do "pobre cliente" na quantidade e não na qualidade. Já vi casos de pregos a cada absurdos 60 centímetros, ou seja, 33% do mínimo necessário. O resultado a gente já conhece, fundos soltando, cobertores vazando e o cliente...enganado e insatisfeito (Mas só descobre isso bem mais tarde)!

Obviamente que depois da frustração, o cliente acredita que montadores de móveis são todos iguais e quando este tipo re raciocínio acontece, isto faz mal para toda uma categoria profissional. Sejam eles bons montadores ou talvez apenas razoáveis no que fazem, estarão todos nivelados a um único patamar profissional, nivelados por baixo.

Enfim vamos então tentar entender um fenômeno por trás do binômio preço x qualidade. O raciocínio apresentado à seguir é uma regra geral, para a maioria dos casos, mas não uma regra absoluta, mesmo porque conheço muitos exemplos contrários à regra geral. Peço que analisem tal fenômeno sem paixões e observem que não descrevem todos os casos encontrados.

Gostaria de deixar claro que estamos expurgando deste modelo de raciocínio a questão comportamental e disciplinar, também responsáveis pelo giro de mercado da mão de obra de montagem. Adicionalmente existem os montadores demitidos por questões ligadas à redução de estrutura ou ainda por decisões de terceirzação, estes não se enquadram no perfil do tipo (III).

Tudo começa no lojista, dentro do processo de contratação e treinamento profissional. Observando o mercado de trabalho e o turn over dentro das lojas, os montadores mais talentosos (I) são valorizados e recompensados com o tempo. Porém atingem um teto e começam a causar distorções na política salarial do lojista. Depois de um período de estagnação salarial, decidem partir para o trabalho autônomo, onde seus ganhos tornam-se substancialmente maiores.

O lojista por seu lado, está fadado a preder os melhores profissionais (I) para evitar a inviabilização de sua política salarial. Ainda dentro deste contexto, o lojista acaba dispensando os montadores que não são capazes de atingir um nível adequado de qualificação na montagem (III), ficando em seus quadros portanto majoritariamente com os profissionais do tipo (II).

Observem que no mercado de montadores de móveis autônomos (sem carteira) encontraremos estes dois perfis totalmente diferentes (I) e (III) concorrendo pela contratação de um mesmo serviço junto ao cliente e aí reside todo o problema. Dentro deste ângulo comparativo, o montador autônomo que sobrava profissionalmente (I) precisa justificar ao seu cliente o motivo de seu preço ser demasiadamente distante de algum outro orçamento encontrado com o montador (III). Entretanto, o cliente não é capaz de vislumbrar o contexto explicado anteriormente sem que haja o argumento.

Existe porém aí um grave fiel na balança desta relação, mas isto é um ponto de vista totalmente particular do Portal do Montador. Não consigo dentro de minha lógica combinar um produto conhecido como de "primeiro preço" (aquele de tablóide) sendo montado por um montador altamente qualificado (I), Isto porque o cliente no momento da compra, á havia decidido por uma questão restritivamente financeira. O montador (I) está incorrendo em um erro ao insistir nesta montagem...

Mas então, qual é a saída para este dilema? Um primeiro momento sugere que o montador trabalhe na medida do possível, com a menor distância possível de sua sede, para que com isso consiga reduzir os custos relativos ao tempo de deslocamento (para as grandes metrópoles). Um segundo aspecto sugere que o montador tipo (I), continue se aprimorando profissionalmente em direção à  montagens mais complexas, que garantam uma concorrência mais condizente com sua bagagem técnica e profissional.

O montador do tipo (III) contudo, precisa avaliar sua vida profissional e decidir de vez se adquire capacitação ou se migra para outro ramo de atividade profissional, apesar de ser esta uma decisão extremamente dolorosa, sabemos. Caso contrário, estará sempre aprisionado ao modelo de baixo preço e alta produtividade, inviabilizando seu crescimento profissional.

Fica lógico dentro deste modelo de raciocínio (sujeito á críticas por não ser totalmente representativo) entender porque o Portal do Montador é o lugar certo para os melhores profissionais da montagem, porque existe uma sintonia de pensamento, ele é a busca constante pela Qualidade na Montagem. Automaticamente que, dentro desta movimentação de mercado, aqui no POM estarão presentes os melhores montadores de móveis do Brasil.

Sucesso à todos, sempre!


C. Perin

7/12/2015

Arquivos Deslizantes: Instalação envolve procedimentos de manutenção, montagem e desmontagem

Arquivos Deslizantes: Equipes do POM capacitadas para montagens de porte em todo o Brasil

arquivos deslizantes montagem pom
Montar arquivos deslizantes não é uma tarefa para quem tem pouca experiência no ramo da montagem. Na verdade este tipo de montagem possui detalhes que vão além de um simples procedimento, pois envolvem questões de segurança, responsabilidade e assistência técnica, sendo assim, vamos ao tema de hoje.

Em primeiro lugar é preciso esclarecer aos montadores de móveis que desejam evoluir tecnicamente para a montagem de arquivos deslizantes a aplicabilidade dos mesmos. Pois bem, arquivos deslizantes são sistemas de armazenamento modulares voltados à guarda de diversos itens corporativos:

  • Documentação contábil (Notas Fiscais, Pedidos de compra e venda, etc...)
  • Documentação Jurídica (processos, fichários, etc...)
  • Documentação de Engenharia (Plantas, Projetos Arquitetônicos, etc...)
  • Acervo Digital (Mídias de todos os tipos para rádios, estúdios fotográficos, etc..)
  • Acervo de Bibliotecas, Museus e outros
  • Produtos farmacológicos
  • Prontuários e Documentação de Hospitais, Clínicas, Postos de Saúde
  • Arquivos de Orgãos de Atendimento Público( Detran, Poupa Tempo, cartórios, etc...)
  • Almoxarifados de itens de dimensões reduzidas ou alto valor agregado
  • Acervo de colecionadores
  • Sistemas de Pastas Suspensas
  • Diversas outras aplicações inclusive não corporativas

Como podem observar, trata-se de uma maneira segura, prática e funcional no armazenamento e organização de itens. Existem sistemas sofisticados, atrelados a computadores e acionados eletronicamente. Na seleção de um determinado item cadastrado, pode-se automaticamente abrir o módulo desejado e acender uma luz na prateleira onde o item se encontra. Porém este são sistemas com valores proibitivos. Na grande maioria dos casos, encontramos os sistemas de arquivos deslizantes mecênicos manuais.

montagem de arquivos deslizantes pom
Apesar de partirmos de uma aparência externa padrão, internamente as divisórias diferem bastante em função da aplicabilidade desejada no momento da compra. Temos as prateleiras, as pastas suspensas, os varões pendulares, as fichas e prontuários e outras divisões especiais, menos comuns. cabe lembrar que por serem modulares, é possível intercambiar as divisões externas através da aquisição de kits internos.

Independente da questão interna, em comum existe o benefício "único" trazido pelos arquivos deslizantes, a drástica redução do espaço necessário para a guarda de itens, dado que múltiplos corredores deixam de existir. Em sua configuração construtiva, apenas um único corredor existirá, aquele utilizado no momento da abertura do módulo desejado.

Os arquivos deslizantes caracterizam-se por módulos que se movimentam sobre guias deslizantes, através de sistemas de carrinhos acoplados à catracas tracionadas por correntes. Trata-se portanto do mesmo sistema mecânico existente em motocicletas, esteiras, e outros mecanismos de movimento tracionado.

Observada esta questão, logo entende-se que o serviço de lubrificação é algo essencial dentro da manutenção destes dispositivos, ou seja, anualmente existe a questão da lubrificação do sistema carrinho, catraca e corrente. Portando, falamos de uma clientela fixa, uma vez que formar essa sua carteira de clientes, terá trabalho sempre.

Os procedimentos de manutenção envolvem ações específicas ou rotineiras além da lubrificação, sendo elas:
  • Mudança de local (desmontagem, transporte e remontagem)
  • Alinhamento geral e nivelamento.
  • Troca de peças internas e componentes do arquivo (kits, prateleiras e outros dispositivos)
  • Troca de rolamentos, catracas, correntes e rodas danificadas.
  • Limpeza dos componentes internos de funcionamento
  • Recuperação de carrinhos ou até mesmo restauração da pintura eletrostática em casos mais severos

manutencao e mudanca de arquivos deslizantes pomCuidado com uma informação extremamente importante, os arquivos deslizantes devem preferencialmente ser instalados em pisos térreos. Diferente disto, torna-se necessário que exista um laudo de engenharia constatando que o pavimento de instalação suporta adequadamente a carga prevista para o armazenamento, somada ao peso do próprio sistema de arquivos deslizantes. Portanto cuidado ao ser contratado para a montagem em edifícios, certifique-se de que existe este laudo, pois em caso de acidentes, poderá responder judicialmente em responsabilidade solidária.

Como exemplo ilustrativo, uma laje de um prédio comercial é dimensionada para atender à norma ABNT NBR6120, que define que a sobrecarga para um escritório deve ser de 200kgf/m2. A mesma norma determina que para uma biblioteca esta laje deve ser calculada com uma sobre carga de 600kgf/m2. Porém é possível dependendo dos itens armazenados que arquivos deslizantes ultrapassem a faixa de 800kgf/m2, então...Muita calma nesta hora.

Diante de tantos fatores técnicos citados, obviamente que o cliente faz questão de contratar empresas de montagem do tipo pessoas jurídicas, o CNPJ é uma garantia de que o serviço contratado buscou por profissionais estabelecidos no mercado. O montador de móveis deve buscar capacitação e treinamento antes de se aventurar neste mercado. Nossa sugestão é que comece atendendo pequenos clientes em montagens térreas, normalmente arquivos deslizantes com de 3 a 7 carrinhos, considerados sistemas de pequeno porte pelos fabricantes.
arquivos deslizantes montagem equipe pom sao paulo
Voltamos a citar alguns fabricantes: Technolach, OFC, Caviglia, Voko, Scheffer, London e algumas outras com produtos bem conceituados no mercado. O importante é que os montadores solicitem pelos serviços de treinamento junto aos principais fabricantes e desenvolvam este canal de comunicação para a obtenção de peças de reposição junto aos seus clientes.

Finalizando, este é um mercado onde o valor horário da montagem chega a ser 400% superior ao cobrado na montagem de móveis convencionais e 200% superior à montagem de móveis planejados. |Esteja preparado para um pouquinho de esforço físico, as bases de alguns modelos de  carrinhos ultrapassam os 40 Kgs. O convite está feito, é um mercado difícil de entrar, mas quem está dentro não sai por nada...

Quer saber mais? Acesse o link ORÇAMENTO PARA MONTAGEM DE ARQUIVOS DESLIZANTES

Sucesso à todos!


C. Perin

7/07/2015

Montagem de Agências Bancárias em cidades com montadores de móveis credenciados POM

Agências Bancárias optam pela contratação de Montadores Credenciados POM

montador de  moveis agencia bancaria
As últimas semanas de junho trouxeram novidades positivas para alguns montadores credenciados POM, o fechamento do contrato na montagem de agências bancárias em diversas cidades do Brasil. Nós aqui não entendemos se o mês de julho, com menor movimento bancário, seja o preferido ou não para este tipo de trabalho, mas de qualquer maneira tem sido uma excelente notícia para os montadores que atualmente tocam estes projetos em andamento.

Na visão do montador de móveis ou demais profissionais autônomos, um volume de trabalho em escala, concentrada sempre é um aspecto interessante, mesmo que para isso a negociação de preços seja um pouco apertada. Quando falamos em móveis corporativos, existem aqueles elementos que por diversas vezes já abordamos neste blog e que exigem cuidados. Cabos lógicos, passagem de fiação, vidros, baias, volantes  e estações de trabalho, a montagem exige na maioria dos casos uma planta, devido ao layout funcional do estabelecimento.

Na visão dos bancos e agências de crédito, assim como na visão de empresas que precisam resolver situações similares porém em diferentes localidades, o Portal do Montador é uma decisão acertada, principalmente por causa de uma maior uniformidade no nível do profissional contratado.

montagem de moveis agencias bancariasQuem contrata não tem tempo para errar e não está disposto a gerenciar conflitos ou aborrecimentos, precisa de alguém com recursos técnicos e flexibilidade, inclusive de horário, dado que muitas montagens precisam ocorrer fora do horário comercial, dependendo do caso.

Outro ponto seguidas vezes abordado é a questão do CNPJ, insistimos que muitos clientes quando procuram os montadores de móveis credenciados POM, acabam escolhendo e contratando aqueles que possuem empresa constituída, isto porque é mais seguro juridicamente falando. 

Não é só um problema de emissão da nota fiscal, vai muito além disso. Imaginem o profissional autônomo sofrendo um acidente dentro da agência. O contratante está melhor resguardado no caso do contratado estar legalmente amparado por um CNPJ, precisamos falar a verdade para todos, isto conta sim...e muito!

O processo de contratação para esses casos é muito mais rápido que licitações, isto porque via de regra a agência bancária segue um cronograma de abertura e a contratação dos montadores de móveis já possui recursos financeiros provisionados e aguarda apenas o momento propício dentro do referido cronograma.

Pelo fato da própria estrutura bancária, a organização é um ponto forte neste tipo de trabalho, as coisas costumam acontecer nas datas marcadas, livre de surpresas na grande maioria dos casos, mesmo porque a fabricação do mobiliário está nas mãos de empresas focadas neste nicho de mercado que entendem o funcionamento do setor.

Um outro fator bastante atrativo é que o fechamento deste contrato caracteriza-se pelo adiantamento financeiro de parte do valor estabelecido, normalmente falamos em 30% do montante, sendo que em alguns casos, dependendo da negociação e da confiança entre as partes, pode acontecer um sinal de até 50% do valor de contrato.
Mas isto não é uma regra claramente definida como padrão de mercado. Normalmente o montador que encabeça a equipe precisa arcar com os custos iniciais de deslocamento e alimentação do grupo de montadores, então é importante a questão do adiantamento financeiro.

Indo mais além, é definitivamente claro que um montador desorganizado não sobreviverá neste mercado. É preciso cumprir o horário estabelecido e existe uma fiscalização quanto à limpeza e organização do trabalho, nãos se iludam aqueles que pensam existir espaço para algo mais ou menos. Existe um cronograma a ser seguido e a agência bancária precisa estar funcionando na data marcada.

O montador que faz um orçamento para a montagem de móveis em agências bancárias precisa ter segurança nos prazos que assume, sob pena de perder uma próxima oportunidade e, dependendo do caso, perder inclusive a oportunidade em andamento, caso não consiga atender as necessidades de prazo do contratante. Não existe espaço para montadores do tipo "vamos ver o que acontece". Como dizem, é papo reto, dinheiro na mão e montagem no prazo.

Enfim encerramos este post com um incentivo para todos vocês pois apesar da retração financeira momentânea, não existe crise para os montadores credenciados POM, principalmente aqueles que não montam exclusivamente apenas móveis convencionais Cuide de seu CNPJ, deixe as ferramentas preparadas e o telefone celular sempre à mão, em minutos tudo pode mudar para quem está preparado.

Sucesso à todos mais uma vez!


C. Perin

7/02/2015

Corrediças para Gavetas (Parte II): Tipos de deslizamento, aplicações e instalação na montagem de móveis

Corrediças para Gavetas: Dispositivos Fundamentais na Funcionalidade do Mobiliário (Parte II)

corredicas para gavetas
Continuando nossa abordagem do post anterior, o grupo das corrediças cujo deslocamento ocorre pelo simples deslizamento através de guias é o mesmo encontrado nos primórdios das corrediças dentro do universo do mobiliário, a mais básica técnica de deslocamento dentro todas que apresentaremos.

Apesar de tecnicamente ultrapassado, este grupo existe até os dias de hoje, inclusive em móveis de madeira maciça, cujo charme é uma guia de madeira encaixada em um corpo com canal, também de madeira, fixado na lateral do móvel, seja com cola, parafusos, cavilhas ou até mesmo a combinação de tais artifícios. A sensação de robustez e obviamente a harmonização dentro deste tipo de mobiliário é tratada como diferencial que permanece inalterado inclusive em trabalhos de restauração.

Observando o fator preço, encontramos neste grupo as corrediças de pinus (em crescente desuso) e as corrediças plásticas, as mais baratas do mercado na atualidade, presentes em móveis de apelo extremamente popular. As de pinus utilizam parafuso na fixação do corpo e possuem um canal na lateral de gaveta.

corredicas plasticas
Já as de plástico podem ou não possuir este canal, visto que muitos fabricantes, para economia de processo, inadvertidamente utilizam as corrediças plásticas "sob" as laterais de gaveta, com o intuito de reduzir custos de processo na fabricação das laterais de gaveta. As corrediças plásticas podem utilizar calços estriados ou parafusos de fixação.

Embora extremamente baratas, as corrediças plásticas atualmente já não representam o principal volume do mercado, dado que apresenta forte rejeição por parte do comprador.

O grande volume de aplicação é hoje ocupado pelas corrediças com deslizamento por rodízios ou roldanas, mais especificamente as corrediças metálicas leves, nome pelo qual são comumente ou comercialmente conhecidas.

corredicas roldanas
Assim, sendo, encontramos tais corrediças largamente utilizadas na montagem de móveis populares com preços de entrada, lembrando que proporcionam uma abertura parcial da gaveta, ou seja, mesmo a gaveta aberta, parte dela ainda fica para dentro do móvel, o que não é uma característica totalmente conveniente em termos de usabilidade.

O modelo caracteriza-se pela formação de dois pares, esquerdo e direito, sendo que cada par possui duas parte que formam o conjunto, o corpo fixo e a haste deslizante. Um rolamento, plástico ou metálico, permite o engate e o deslizamento na parte presa ao móvel, comumente na lateral de gaveta, podendo ter variantes tais como prateleiras projetáveis e outros.

A roldana deslizante corre sobre a dobra do corpo fixo, que forma um canal guia de deslizamento. Este modelo em geral admite certa variação na precisão do vão da gaveta na ordem de 2 mm. Caso a folga seja maior que este limite, o dispositivo apresentará o conhecido problema de descarrilamento e consequente desencaixe (queda) da gaveta.

Existe uma padronização de profundidade variando a cada 50 mm, os modelos mais utilizados possuem as seguintes profundidades, 350, 400 e 450 mm. Segue uma tabela das variações  comercialmente encontradas, lembrando que seguem também um padrão de linhas de furação, muitas vezes não seguidos ou conhecidos adequadamente por alguns projetistas, pois o ideal acima de 350 mm é a utilização e 3 e não 2 parafusos de fixação.

corredicas metalicas profundidades

Seguindo a hierarquia da complexidade técnica e sofisticação, o próximo grupo é conhecido como corrediças telescópicas. na verdade possuem o deslocamento linear em função de roletes ou esferas. A utilização deste modelo é uma tendência em franco crescimento, hoje em dia já comum sua utilização no mercado moveleiro de médio padrão, dada a redução de preços que apresentou nos últimos anos.  O sistema de rolamentos com esferas metálicas permite o deslizamento suave e silencioso do conjunto, podendo proporcionar extração total da gaveta dependendo do modelo, funcionalidade necessária para clientes com uma maior exigência.

corredicas telescopicas
Todas elas possuem um conjunto direito e outro esquerdo. Além do deslocamento suave, proporcionam o travamento da gaveta ao fim do curso. Essas corrediças são indicadas para gavetas de madeira, arquivos, fichários, equipamentos, eletrônicos e automação. Fabricadas em aço laminado ou aço inox, possui acabamento zincado, preto ou branco. Sua capacidade de carga é extensa. Geralmente a mais utilizada no mercado é a corrediça de 45 Kg, para gavetas da cozinha ou que precisem suportar mais peso. Normalmente apresentam duas alturas, 35 ou 45 mm, com vão de instalação entre 12 e 25 mm. Para casos especiais existem modelos que suportam cargas de até 200 Kgs

Os elementos de movimento são em esferas de aço mas existem algum com esferas de plástico, cuidado. Estão alojados em caixas, impedindo que a poeira atrapalhe o movimento ou até mesmo acumule poeira no rolamento, como pode acontecer com corrediças leves. Elas tem o benefício de poder ser instaladas em uma ranhura na lateral da gaveta, o que pode melhorar de forma significativa o aproveitamento de espaço do armário ou móvel em questão, já que alguns modelos permitem um vão mínimo entre a lateral da gaveta e o corpo do produto. 

Os montadores de móveis menos experientes acabam por danificar este tipo de corrediça durante a instalação, forçando o conjunto de maneira inadequada com força excessiva e assim rompendo o alojamento das esferas, que por suia vez se espalham no local devido ao rompimento da caixa de contenção. O sistema é robusto, mas exige cuidado e conhecimento para o manuseio.

Para este modelo é necessário reservar pelo menos 27 mm para o corpo fixo da corrediça na lateral interna do móvel, além de ser necessária uma distância mínima de 10 mm de altura entre cada gaveta. Além da profundidade, a escolha do trilho ou corrediça para aplicação na gaveta está ligada principalmente à capacidade de carga que se deseja do sistema. Existem hoje trilhos e corrediças com capacidade de cargas mais variadas possíveis. É bom saber que as corrediças telescópicas são sem sombra de dúvida as mais indicadas em aplicações normais, por causa da sua resistência e robustez.

Corrediças com trilhos longos, que permitem criar “super gavetas”, em geral perdem capacidade de carga de acordo com o aumento do comprimento, devido ao efeito alavanca. Mas isto s é uma mera referência dado que quase não se encontra no mercado este tipo de aplicação, bastante rara e extremamente específica.