Rede de Montagem e Assistência Técnica POM

O cliente espera um bom serviço, não está interessado em assuntos paralelos. Não diminua o produto, nem o profissional anterior, caso exista um.

Portal do Montador ME - Anúncios de Montadores

PortaL do Montador ME - Montador, anuncie em espaço prático, dedicado exclusivamente à divulgação de serviços de montagem de móveis em todo o Brasil.

Montador de Móveis Credenciado POM Brasil

A realização de um bom trabalho vai além do resultado final. Um profissional de sucesso realiza suas atividades com cuidado, organização e planejamento.

Montadores de Móveis Profissionais

A boa montagem nasce de um projeto bem feito, matérias-primas adequadas, processos de fabricação padronizados e principalmente de um montador de móveis capacitado.

Montagem, Desmontagem e Remontagem de Móveis

O consumidor precisa aprender a distinguir montadores de móveis profissionais e montadores de móveis eventuais. Por melhor que seja o produto, corre-se o risco de danificá-lo.

27 de julho de 2015

Qualidade e Preço da Montagem: Um fenômeno que o cliente precisa observar antes de decidir

Qualidade da Montagem e Preço: O que o cliente precisa saber ao contratar um montador

Montadores quanto á qualificação Profissional
Montadores de móveis, entramos em um momento onde o fator preço sem sombra de dúvidas fará a diferença tanto na aquisição de produtos como de serviços dentro do contexto de nossa economia.

O cliente mais do que nunca encontra-se com recursos financeiros limitados, porém não apenas por isso estará decidindo exclusivamente pelo serviço mais barato.

Tudo o que o cliente precisa é de argumentos para que compreenda claramente o que está pagando como diferencial e desta maneira, decida racionalmente se precisa ou não deste diferencial embutido no preço.

A primeira e mais importante consideração passa necessariamente pela qualidade na montagem. Muitos montadores de móveis profissionais não estão preparados para esclarecer ao cliente o que seria uma montagem com ou sem qualidade. Apenas à título de curiosidade, o fundo de um roupeiro que utiliza chapa fina, precisa ser instalado com 1 prego tipo 10 mm a cada 20 centímetros, isto é um padrão (mínimo) dos fabricantes, que colocam no kit de acessórios quantidade suficiente para 1 prego a cada 10 cm (o dobro do mínimo).

Aqui já começa um grave indício da falta da qualidade na montagem, montadores menos qualificados (intencionalmente?) utilizam uma quantidade bem menor de pregos para terminar o serviço mais cedo e ganhar do "pobre cliente" na quantidade e não na qualidade. Já vi casos de pregos a cada absurdos 60 centímetros, ou seja, 33% do mínimo necessário. O resultado a gente já conhece, fundos soltando, cobertores vazando e o cliente...enganado e insatisfeito (Mas só descobre isso bem mais tarde)!

Obviamente que depois da frustração, o cliente acredita que montadores de móveis são todos iguais e quando este tipo re raciocínio acontece, isto faz mal para toda uma categoria profissional. Sejam eles bons montadores ou talvez apenas razoáveis no que fazem, estarão todos nivelados a um único patamar profissional, nivelados por baixo.

Enfim vamos então tentar entender um fenômeno por trás do binômio preço x qualidade. O raciocínio apresentado à seguir é uma regra geral, para a maioria dos casos, mas não uma regra absoluta, mesmo porque conheço muitos exemplos contrários à regra geral. Peço que analisem tal fenômeno sem paixões e observem que não descrevem todos os casos encontrados.

Gostaria de deixar claro que estamos expurgando deste modelo de raciocínio a questão comportamental e disciplinar, também responsáveis pelo giro de mercado da mão de obra de montagem. Adicionalmente existem os montadores demitidos por questões ligadas à redução de estrutura ou ainda por decisões de terceirzação, estes não se enquadram no perfil do tipo (III).

Tudo começa no lojista, dentro do processo de contratação e treinamento profissional. Observando o mercado de trabalho e o turn over dentro das lojas, os montadores mais talentosos (I) são valorizados e recompensados com o tempo. Porém atingem um teto e começam a causar distorções na política salarial do lojista. Depois de um período de estagnação salarial, decidem partir para o trabalho autônomo, onde seus ganhos tornam-se substancialmente maiores.

O lojista por seu lado, está fadado a preder os melhores profissionais (I) para evitar a inviabilização de sua política salarial. Ainda dentro deste contexto, o lojista acaba dispensando os montadores que não são capazes de atingir um nível adequado de qualificação na montagem (III), ficando em seus quadros portanto majoritariamente com os profissionais do tipo (II).

Observem que no mercado de montadores de móveis autônomos (sem carteira) encontraremos estes dois perfis totalmente diferentes (I) e (III) concorrendo pela contratação de um mesmo serviço junto ao cliente e aí reside todo o problema. Dentro deste ângulo comparativo, o montador autônomo que sobrava profissionalmente (I) precisa justificar ao seu cliente o motivo de seu preço ser demasiadamente distante de algum outro orçamento encontrado com o montador (III). Entretanto, o cliente não é capaz de vislumbrar o contexto explicado anteriormente sem que haja o argumento.

Existe porém aí um grave fiel na balança desta relação, mas isto é um ponto de vista totalmente particular do Portal do Montador. Não consigo dentro de minha lógica combinar um produto conhecido como de "primeiro preço" (aquele de tablóide) sendo montado por um montador altamente qualificado (I), Isto porque o cliente no momento da compra, á havia decidido por uma questão restritivamente financeira. O montador (I) está incorrendo em um erro ao insistir nesta montagem...

Mas então, qual é a saída para este dilema? Um primeiro momento sugere que o montador trabalhe na medida do possível, com a menor distância possível de sua sede, para que com isso consiga reduzir os custos relativos ao tempo de deslocamento (para as grandes metrópoles). Um segundo aspecto sugere que o montador tipo (I), continue se aprimorando profissionalmente em direção à  montagens mais complexas, que garantam uma concorrência mais condizente com sua bagagem técnica e profissional.

O montador do tipo (III) contudo, precisa avaliar sua vida profissional e decidir de vez se adquire capacitação ou se migra para outro ramo de atividade profissional, apesar de ser esta uma decisão extremamente dolorosa, sabemos. Caso contrário, estará sempre aprisionado ao modelo de baixo preço e alta produtividade, inviabilizando seu crescimento profissional.

Fica lógico dentro deste modelo de raciocínio (sujeito á críticas por não ser totalmente representativo) entender porque o Portal do Montador é o lugar certo para os melhores profissionais da montagem, porque existe uma sintonia de pensamento, ele é a busca constante pela Qualidade na Montagem. Automaticamente que, dentro desta movimentação de mercado, aqui no POM estarão presentes os melhores montadores de móveis do Brasil.

Sucesso à todos, sempre!


C. Perin




12 de julho de 2015

Arquivos Deslizantes: Instalação envolve procedimentos de manutenção, montagem e desmontagem

Arquivos Deslizantes: Equipes do POM capacitadas para montagens de porte em todo o Brasil

arquivos deslizantes montagem pom
Montar arquivos deslizantes não é uma tarefa para quem tem pouca experiência no ramo da montagem. Na verdade este tipo de montagem possui detalhes que vão além de um simples procedimento, pois envolvem questões de segurança, responsabilidade e assistência técnica, sendo assim, vamos ao tema de hoje.

Em primeiro lugar é preciso esclarecer aos montadores de móveis que desejam evoluir tecnicamente para a montagem de arquivos deslizantes a aplicabilidade dos mesmos. Pois bem, arquivos deslizantes são sistemas de armazenamento modulares voltados à guarda de diversos itens corporativos:

  • Documentação contábil (Notas Fiscais, Pedidos de compra e venda, etc...)
  • Documentação Jurídica (processos, fichários, etc...)
  • Documentação de Engenharia (Plantas, Projetos Arquitetônicos, etc...)
  • Acervo Digital (Mídias de todos os tipos para rádios, estúdios fotográficos, etc..)
  • Acervo de Bibliotecas, Museus e outros
  • Produtos farmacológicos
  • Prontuários e Documentação de Hospitais, Clínicas, Postos de Saúde
  • Arquivos de Orgãos de Atendimento Público( Detran, Poupa Tempo, cartórios, etc...)
  • Almoxarifados de itens de dimensões reduzidas ou alto valor agregado
  • Acervo de colecionadores
  • Sistemas de Pastas Suspensas
  • Diversas outras aplicações inclusive não corporativas

Como podem observar, trata-se de uma maneira segura, prática e funcional no armazenamento e organização de itens. Existem sistemas sofisticados, atrelados a computadores e acionados eletronicamente. Na seleção de um determinado item cadastrado, pode-se automaticamente abrir o módulo desejado e acender uma luz na prateleira onde o item se encontra. Porém este são sistemas com valores proibitivos. Na grande maioria dos casos, encontramos os sistemas de arquivos deslizantes mecênicos manuais.

montagem de arquivos deslizantes pom
Apesar de partirmos de uma aparência externa padrão, internamente as divisórias diferem bastante em função da aplicabilidade desejada no momento da compra. Temos as prateleiras, as pastas suspensas, os varões pendulares, as fichas e prontuários e outras divisões especiais, menos comuns. cabe lembrar que por serem modulares, é possível intercambiar as divisões externas através da aquisição de kits internos.

Independente da questão interna, em comum existe o benefício "único" trazido pelos arquivos deslizantes, a drástica redução do espaço necessário para a guarda de itens, dado que múltiplos corredores deixam de existir. Em sua configuração construtiva, apenas um único corredor existirá, aquele utilizado no momento da abertura do módulo desejado.

Os arquivos deslizantes caracterizam-se por módulos que se movimentam sobre guias deslizantes, através de sistemas de carrinhos acoplados à catracas tracionadas por correntes. Trata-se portanto do mesmo sistema mecânico existente em motocicletas, esteiras, e outros mecanismos de movimento tracionado.

Observada esta questão, logo entende-se que o serviço de lubrificação é algo essencial dentro da manutenção destes dispositivos, ou seja, anualmente existe a questão da lubrificação do sistema carrinho, catraca e corrente. Portando, falamos de uma clientela fixa, uma vez que formar essa sua carteira de clientes, terá trabalho sempre.

Os procedimentos de manutenção envolvem ações específicas ou rotineiras além da lubrificação, sendo elas:
  • Mudança de local (desmontagem, transporte e remontagem)
  • Alinhamento geral e nivelamento.
  • Troca de peças internas e componentes do arquivo (kits, prateleiras e outros dispositivos)
  • Troca de rolamentos, catracas, correntes e rodas danificadas.
  • Limpeza dos componentes internos de funcionamento
  • Recuperação de carrinhos ou até mesmo restauração da pintura eletrostática em casos mais severos

manutencao e mudanca de arquivos deslizantes pomCuidado com uma informação extremamente importante, os arquivos deslizantes devem preferencialmente ser instalados em pisos térreos. Diferente disto, torna-se necessário que exista um laudo de engenharia constatando que o pavimento de instalação suporta adequadamente a carga prevista para o armazenamento, somada ao peso do próprio sistema de arquivos deslizantes. Portanto cuidado ao ser contratado para a montagem em edifícios, certifique-se de que existe este laudo, pois em caso de acidentes, poderá responder judicialmente em responsabilidade solidária.

Como exemplo ilustrativo, uma laje de um prédio comercial é dimensionada para atender à norma ABNT NBR6120, que define que a sobrecarga para um escritório deve ser de 200kgf/m2. A mesma norma determina que para uma biblioteca esta laje deve ser calculada com uma sobre carga de 600kgf/m2. Porém é possível dependendo dos itens armazenados que arquivos deslizantes ultrapassem a faixa de 800kgf/m2, então...Muita calma nesta hora.

Diante de tantos fatores técnicos citados, obviamente que o cliente faz questão de contratar empresas de montagem do tipo pessoas jurídicas, o CNPJ é uma garantia de que o serviço contratado buscou por profissionais estabelecidos no mercado. O montador de móveis deve buscar capacitação e treinamento antes de se aventurar neste mercado. Nossa sugestão é que comece atendendo pequenos clientes em montagens térreas, normalmente arquivos deslizantes com de 3 a 7 carrinhos, considerados sistemas de pequeno porte pelos fabricantes.
arquivos deslizantes montagem equipe pom sao paulo
Voltamos a citar alguns fabricantes: Technolach, OFC, Caviglia, Voko, Scheffer, London e algumas outras com produtos bem conceituados no mercado. O importante é que os montadores solicitem pelos serviços de treinamento junto aos principais fabricantes e desenvolvam este canal de comunicação para a obtenção de peças de reposição junto aos seus clientes.

Finalizando, este é um mercado onde o valor horário da montagem chega a ser 400% superior ao cobrado na montagem de móveis convencionais e 200% superior à montagem de móveis planejados. |Esteja preparado para um pouquinho de esforço físico, as bases de alguns modelos de  carrinhos ultrapassam os 40 Kgs. O convite está feito, é um mercado difícil de entrar, mas quem está dentro não sai por nada...

Sucesso à todos!


C. Perin




7 de julho de 2015

Montagem de Agências Bancárias em cidades com montadores de móveis credenciados POM

Agências Bancárias optam pela contratação de Montadores Credenciados POM

montador de  moveis agencia bancaria
As últimas semanas de junho trouxeram novidades positivas para alguns montadores credenciados POM, o fechamento do contrato na montagem de agências bancárias em diversas cidades do Brasil. Nós aqui não entendemos se o mês de julho, com menor movimento bancário, seja o preferido ou não para este tipo de trabalho, mas de qualquer maneira tem sido uma excelente notícia para os montadores que atualmente tocam estes projetos em andamento.

Na visão do montador de móveis ou demais profissionais autônomos, um volume de trabalho em escala, concentrada sempre é um aspecto interessante, mesmo que para isso a negociação de preços seja um pouco apertada. Quando falamos em móveis corporativos, existem aqueles elementos que por diversas vezes já abordamos neste blog e que exigem cuidados. Cabos lógicos, passagem de fiação, vidros, baias, volantes  e estações de trabalho, a montagem exige na maioria dos casos uma planta, devido ao layout funcional do estabelecimento.

Na visão dos bancos e agências de crédito, assim como na visão de empresas que precisam resolver situações similares porém em diferentes localidades, o Portal do Montador é uma decisão acertada, principalmente por causa de uma maior uniformidade no nível do profissional contratado.

montagem de moveis agencias bancariasQuem contrata não tem tempo para errar e não está disposto a gerenciar conflitos ou aborrecimentos, precisa de alguém com recursos técnicos e flexibilidade, inclusive de horário, dado que muitas montagens precisam ocorrer fora do horário comercial, dependendo do caso.

Outro ponto seguidas vezes abordado é a questão do CNPJ, insistimos que muitos clientes quando procuram os montadores de móveis credenciados POM, acabam escolhendo e contratando aqueles que possuem empresa constituída, isto porque é mais seguro juridicamente falando. 

Não é só um problema de emissão da nota fiscal, vai muito além disso. Imaginem o profissional autônomo sofrendo um acidente dentro da agência. O contratante está melhor resguardado no caso do contratado estar legalmente amparado por um CNPJ, precisamos falar a verdade para todos, isto conta sim...e muito!

O processo de contratação para esses casos é muito mais rápido que licitações, isto porque via de regra a agência bancária segue um cronograma de abertura e a contratação dos montadores de móveis já possui recursos financeiros provisionados e aguarda apenas o momento propício dentro do referido cronograma.

Pelo fato da própria estrutura bancária, a organização é um ponto forte neste tipo de trabalho, as coisas costumam acontecer nas datas marcadas, livre de surpresas na grande maioria dos casos, mesmo porque a fabricação do mobiliário está nas mãos de empresas focadas neste nicho de mercado que entendem o funcionamento do setor.

Um outro fator bastante atrativo é que o fechamento deste contrato caracteriza-se pelo adiantamento financeiro de parte do valor estabelecido, normalmente falamos em 30% do montante, sendo que em alguns casos, dependendo da negociação e da confiança entre as partes, pode acontecer um sinal de até 50% do valor de contrato.
Mas isto não é uma regra claramente definida como padrão de mercado. Normalmente o montador que encabeça a equipe precisa arcar com os custos iniciais de deslocamento e alimentação do grupo de montadores, então é importante a questão do adiantamento financeiro.

Indo mais além, é definitivamente claro que um montador desorganizado não sobreviverá neste mercado. É preciso cumprir o horário estabelecido e existe uma fiscalização quanto à limpeza e organização do trabalho, nãos se iludam aqueles que pensam existir espaço para algo mais ou menos. Existe um cronograma a ser seguido e a agência bancária precisa estar funcionando na data marcada.

O montador que faz um orçamento para a montagem de móveis em agências bancárias precisa ter segurança nos prazos que assume, sob pena de perder uma próxima oportunidade e, dependendo do caso, perder inclusive a oportunidade em andamento, caso não consiga atender as necessidades de prazo do contratante. Não existe espaço para montadores do tipo "vamos ver o que acontece". Como dizem, é papo reto, dinheiro na mão e montagem no prazo.

Enfim encerramos este post com um incentivo para todos vocês pois apesar da retração financeira momentânea, não existe crise para os montadores credenciados POM, principalmente aqueles que não montam exclusivamente apenas móveis convencionais Cuide de seu CNPJ, deixe as ferramentas preparadas e o telefone celular sempre à mão, em minutos tudo pode mudar para quem está preparado.

Sucesso à todos mais uma vez!


C. Perin




2 de julho de 2015

Corrediças para Gavetas (Parte II): Tipos de deslizamento, aplicações e instalação na montagem de móveis

Corrediças para Gavetas: Dispositivos Fundamentais na Funcionalidade do Mobiliário (Parte II)

corredicas para gavetas
Continuando nossa abordagem do post anterior, o grupo das corrediças cujo deslocamento ocorre pelo simples deslizamento através de guias é o mesmo encontrado nos primórdios das corrediças dentro do universo do mobiliário, a mais básica técnica de deslocamento dentro todas que apresentaremos.

Apesar de tecnicamente ultrapassado, este grupo existe até os dias de hoje, inclusive em móveis de madeira maciça, cujo charme é uma guia de madeira encaixada em um corpo com canal, também de madeira, fixado na lateral do móvel, seja com cola, parafusos, cavilhas ou até mesmo a combinação de tais artifícios. A sensação de robustez e obviamente a harmonização dentro deste tipo de mobiliário é tratada como diferencial que permanece inalterado inclusive em trabalhos de restauração.

Observando o fator preço, encontramos neste grupo as corrediças de pinus (em crescente desuso) e as corrediças plásticas, as mais baratas do mercado na atualidade, presentes em móveis de apelo extremamente popular. As de pinus utilizam parafuso na fixação do corpo e possuem um canal na lateral de gaveta.

corredicas plasticas
Já as de plástico podem ou não possuir este canal, visto que muitos fabricantes, para economia de processo, inadvertidamente utilizam as corrediças plásticas "sob" as laterais de gaveta, com o intuito de reduzir custos de processo na fabricação das laterais de gaveta. As corrediças plásticas podem utilizar calços estriados ou parafusos de fixação.

Embora extremamente baratas, as corrediças plásticas atualmente já não representam o principal volume do mercado, dado que apresenta forte rejeição por parte do comprador.

O grande volume de aplicação é hoje ocupado pelas corrediças com deslizamento por rodízios ou roldanas, mais especificamente as corrediças metálicas leves, nome pelo qual são comumente ou comercialmente conhecidas.

corredicas roldanas
Assim, sendo, encontramos tais corrediças largamente utilizadas na montagem de móveis populares com preços de entrada, lembrando que proporcionam uma abertura parcial da gaveta, ou seja, mesmo a gaveta aberta, parte dela ainda fica para dentro do móvel, o que não é uma característica totalmente conveniente em termos de usabilidade.

O modelo caracteriza-se pela formação de dois pares, esquerdo e direito, sendo que cada par possui duas parte que formam o conjunto, o corpo fixo e a haste deslizante. Um rolamento, plástico ou metálico, permite o engate e o deslizamento na parte presa ao móvel, comumente na lateral de gaveta, podendo ter variantes tais como prateleiras projetáveis e outros.

A roldana deslizante corre sobre a dobra do corpo fixo, que forma um canal guia de deslizamento. Este modelo em geral admite certa variação na precisão do vão da gaveta na ordem de 2 mm. Caso a folga seja maior que este limite, o dispositivo apresentará o conhecido problema de descarrilamento e consequente desencaixe (queda) da gaveta.

Existe uma padronização de profundidade variando a cada 50 mm, os modelos mais utilizados possuem as seguintes profundidades, 350, 400 e 450 mm. Segue uma tabela das variações  comercialmente encontradas, lembrando que seguem também um padrão de linhas de furação, muitas vezes não seguidos ou conhecidos adequadamente por alguns projetistas, pois o ideal acima de 350 mm é a utilização e 3 e não 2 parafusos de fixação.

corredicas metalicas profundidades

Seguindo a hierarquia da complexidade técnica e sofisticação, o próximo grupo é conhecido como corrediças telescópicas. na verdade possuem o deslocamento linear em função de roletes ou esferas. A utilização deste modelo é uma tendência em franco crescimento, hoje em dia já comum sua utilização no mercado moveleiro de médio padrão, dada a redução de preços que apresentou nos últimos anos.  O sistema de rolamentos com esferas metálicas permite o deslizamento suave e silencioso do conjunto, podendo proporcionar extração total da gaveta dependendo do modelo, funcionalidade necessária para clientes com uma maior exigência.

corredicas telescopicas
Todas elas possuem um conjunto direito e outro esquerdo. Além do deslocamento suave, proporcionam o travamento da gaveta ao fim do curso. Essas corrediças são indicadas para gavetas de madeira, arquivos, fichários, equipamentos, eletrônicos e automação. Fabricadas em aço laminado ou aço inox, possui acabamento zincado, preto ou branco. Sua capacidade de carga é extensa. Geralmente a mais utilizada no mercado é a corrediça de 45 Kg, para gavetas da cozinha ou que precisem suportar mais peso. Normalmente apresentam duas alturas, 35 ou 45 mm, com vão de instalação entre 12 e 25 mm. Para casos especiais existem modelos que suportam cargas de até 200 Kgs

Os elementos de movimento são em esferas de aço mas existem algum com esferas de plástico, cuidado. Estão alojados em caixas, impedindo que a poeira atrapalhe o movimento ou até mesmo acumule poeira no rolamento, como pode acontecer com corrediças leves. Elas tem o benefício de poder ser instaladas em uma ranhura na lateral da gaveta, o que pode melhorar de forma significativa o aproveitamento de espaço do armário ou móvel em questão, já que alguns modelos permitem um vão mínimo entre a lateral da gaveta e o corpo do produto. 

Os montadores de móveis menos experientes acabam por danificar este tipo de corrediça durante a instalação, forçando o conjunto de maneira inadequada com força excessiva e assim rompendo o alojamento das esferas, que por suia vez se espalham no local devido ao rompimento da caixa de contenção. O sistema é robusto, mas exige cuidado e conhecimento para o manuseio.

Para este modelo é necessário reservar pelo menos 27 mm para o corpo fixo da corrediça na lateral interna do móvel, além de ser necessária uma distância mínima de 10 mm de altura entre cada gaveta. Além da profundidade, a escolha do trilho ou corrediça para aplicação na gaveta está ligada principalmente à capacidade de carga que se deseja do sistema. Existem hoje trilhos e corrediças com capacidade de cargas mais variadas possíveis. É bom saber que as corrediças telescópicas são sem sombra de dúvida as mais indicadas em aplicações normais, por causa da sua resistência e robustez.

Corrediças com trilhos longos, que permitem criar “super gavetas”, em geral perdem capacidade de carga de acordo com o aumento do comprimento, devido ao efeito alavanca. Mas isto s é uma mera referência dado que quase não se encontra no mercado este tipo de aplicação, bastante rara e extremamente específica.

Parte III -  Continua no próximo post...




1 de junho de 2015

WorkShop POM: Montagem de Móveis Convencionais - Inscrições Abertas São Paulo

WorkShop POM: Montagem de Móveis Convencionais em 04/07/2015

montagem de moveis convencionais
Agora é oficial, nosso primeiro workshop já tem data e local definidos. Acontecerá no dia 04 de julho de 2015 das 8:30 às 18:00 hs em local de fácil acesso próximo ao metrô Clínicas no bairro de Pinheiros em São Paulo capital.

ENDEREÇO:
Rua Cardeal Arcoverde, 928 - Térreo Pinheiros - São Paulo/SP - CEP: 05408-001

Contaremos com anfiteatro para um público de até 60 participantes, dotado de excelente infra estrutura, moderna e funcional. O acesso é facilitado para quem for de metrô, opcionalmente existe estacionamento disponível no local, porém pago à parte.

sala de treinamento workshop montagem
SALA DE TREINAMENTO
As novidades não param por aí. O Workshop já começa com patrocínios de relevância nacional, estarão presentes Bosch Ferramentas , Linea Brasil e Revista Móbile.

As inscrições poderão ser realizadas de 03 a 26 de junho de 2015 lembrando que serão suspensas antecipadamente caso ocorra atingir a capacidade máxima da sala antes da data limite. O pagamento será disponibilizado através do PagSeguro UOL ou por boleto  via e-mail no valor de R$ 139,00. A confirmação da matrícula se dará somente após a verificação do crédito bancário.

Interessados como designers, marceneiros, lojistas, vendedores de móveis, estudantes e afins poderão participar, não sendo necessário prévio conhecimento de técnicas de montagem para móveis convencionais.

Para se inscrever utilize o formulário de inscrição online logo abaixo. Os canais alternativos de atendimento seguem abaixo:

(011) 4063-5110 falar com Adélia - Horário Comercial
(011) 94262-6262 via WhatsApp ou SMS (Cláudio Perin) - Conforme Disponibilidade
(011) 3506-1586 atendimento Portal do Montador - Horário Comercial
ou ainda via e-mail info@portaldomontador.com

O link para o pagamento da inscrição via PagSeguro UOL encontra-se na barra lateral deste blog para desktops e ao final da página para celulares e tablets. Também pode ser efetuado no botão abaixo. Antes de concretizar o pagamento, pedimos que preencha seu FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO ONLINE ou faça seu atendimento conosco através de um dos canais informados.



O Workshop, organizado e dividido em 2 períodos, terá a abordagem conceitual teórica na parte da manhã. Estarei pessoalmente junto com a Adélia Covre ministrando este primeiro módulo.

Parafusadeira Profissional Bosch 18V
PARAFUSADEIRA PROFISSIONAL 18V BOSCH

Na parte da tarde teremos a apresentação técnica de ferramentas Bosch pela área de engenharia da própria empresa e a montagem da estante Acácia da Linea Brasil, efetuada pelo técnico de fábrica, onde a prática complementará os conceitos abordados. Sendo as empresas citadas não somente nossos patrocinadores mas principalmente colaboradores no conteúdo desenvolvido durante o evento, cuja cobertura estará aos cuidados do Portal eMóbile.

estante acacia linea brasil
ESTANTE ACÁCIA LINEA BRASIL
A estante Acácia montada durante o Workshop POM, será sorteada como cortesia pela Linea Brasil entre os participantes presentes. Você ainda pode dar essa sorte, mas tem que levar o produto para casa no dia, então para os pés quentes de plantão, melhor deixar montado um esquema de retirada do produto com algum freteiro. Teremos o sorteio de outros brindes surpresa ao final do período, antes da entrega dos certificados de treinamento.

certificado workshop de montagem de moveisO certificado do Workshop será assinado em conjunto pela Bosch e Portal do Montador, valorizando os profissionais da montagem e servindo de background para o currículo de profissionais de áreas afins.

Agora é com você, que por diversas vezes ligou ou escreveu procurando por oportunidades de capacitação profissional...

Com relação ao nosso terceiro patrocinador, o Portal eMobile, lembramos que disponibiliza o mais completo conteúdo da internet para o Setor Moveleiro, mantenha-se informado sobre o universo do mobiliário nacional e internacional.

Sucesso à todos e contamos com sua presença!


C. Perin



22 de maio de 2015

Corrediças para Gavetas (Parte I): Tipos de deslizamento, aplicações e instalação na montagem de móveis

Corrediças para Gavetas: Dispositivos Fundamentais na Funcionalidade do Mobiliário (Parte I)

Corredicas para Gavetas
O Portal do Montador inicia hoje a abordagem de mais um assunto fundamental para o sucesso profissional de um montador de móveis, o conhecimento e a correta utilização dos diferentes tipos de corrediças para gavetas disponíveis no mercado, aquelas com os quais normalmente nos defrontaremos durante uma montagem.

As gavetas são atualmente um dos mais importantes meios de otimização de espaço nas modernas cozinhas, banheiros e quartos, sejam os móveis do tipo convencional, modulado ou principalmente planejado. Elas se fazem presentes na grande maioria do mobiliário comercializado, isto porque as corrediças trazem vantagens e benefícios únicos em termos de usabilidade.

Saber qual o modelo ideal para os mais variados tipos de projeto agregará certamente valor ao produto, trazendo ainda um toque de sofisticação, estilo e requinte, dependendo do modelo escolhido.

As corrediças estão diretamente relacionadas com a percepção da qualidade do produto pelo cliente, elas podem aprimorar ou comprometer a suavidade na abertura e no fechamento de uma gaveta. Muitas vezes ignorada (principalmente na montagem de móveis de baixo padrão), a qualidade do desempenho de uma corrediça é portanto essencial e fundamental. 

Algumas características básicas no funcionamento de uma gaveta são determinadas pela corrediça utilizada. Carga máxima, extração máxima e a existência ou não de amortecimento, são algumas dessas importantes características. O cliente embora não conheça tais variáveis, tem a clara sensação do bom ou mal funcionamento das corrediças durante o manuseio das mesmas, prática que deve ser "obrigatória" antes da aquisição do produto. Para o caso de lojas virtuais (ecommerces) muita atenção, é preciso "ler" as especificações técnicas do produto, onde o tipo de corrediça utilizado precisa estar especificado claramente.

Basicamente é importante saber que existem duas formas de construir gavetas: utilizando uma caixa de madeira fixada às corrediças, ou com sistemas prontos de laterais metálicas (aço, alumínio, aço inox), que acompanham as corrediças que ficam embutidas no próprio sistema. No primeiro caso, as corrediças podem ser divididas em três tipos: corrediças leves (ou de rolamentos), corrediças telescópicas (ou de esferas), e corrediças invisíveis.

As corrediças para gavetas são largamente utilizadas em móveis para cozinha, banheiro, área de serviço, dormitório, sala ou escritório. Quanto ao modo do deslizamento, podemos classificar as corrediças em cincos tipos característicos, mecanicamente falando:

  • Guias deslizantes simples
  • Corrediças com deslizamento por rodízios
  • Corrediças com deslizamento por roletes
  • Corrediças com deslizamento esférico
  • Sistema para armários altos
  • Sistema para arquivos (pastas suspensas e outros)

É preciso que fique evidenciada a principal vantagem de utilizarmos gavetas em um móvel, que é a possibilidade de criar compartimentos extraíveis, que são ergonomicamente expelidos ao alcance das mãos e ao mesmo tempo permitem segmentar e classificar os objetos, melhorando sua organização. Para tal objetivo, atualmente existem inúmeros modelos de corrediças e sistemas de laterais de gaveta, que associados a acessórios agregam esta funcionalidade ao móvel.

Devido à sua característica principal de proporcionar maior organização e praticidade no armazenamento de itens, as gavetas podem estar presentes praticamente, em todos os cômodos residenciais ou comerciais, originando assim as mais diversas variantes de aplicabilidade.

Conceituada a necessária abordagem teórica inicial, no próximo post daremos continuidade a este relevante tema: Corrediças para Gavetas






10 de maio de 2015

Detalhes de Montagem: Resolvendo problemas de acabamento superficial dos móveis com pequenos retoques

Kits de Restauração: Retoques fazem enorme diferença na montagem de móveis

Retoques superficiais na montagem de móveis
Existe um grande dilema na vida de um montador de móveis. Ele acontece momentos antes da montagem, toda vez em que se abrem as embalagens do mobiliário adquirido pelo cliente. Costuma-se dizer que este momento é uma caixinha de surpresas.

O procedimento padrão é inspecionar todas as peças que compõem o produto, observando se as mesmas podem conter algum tipo de defeito que inviabilize a montagem.

O montador de móveis experiente sabe que riscos e pequenas avarias em tampos, portas, laterais ou enfim em qualquer peça que fique em evidência aos olhos do cliente, poderá comprometer o sucesso da montagem. O cliente provavelmente não aceitaria o defeito e neste caso o correto é nem começar a montagem, mostrando para o cliente a real situação do produto.

Nossa questão de hoje é...Até que ponto isto deve ou não ser praticado, uma vez que todos sairão perdendo, inclusive o montador? Nisto meus caros, é preciso ter experiência e recursos técnicos que permitam resolver tal tipo de situação extremamente delicada na montagem. Importante salientar que os recursos que apresentaremos evoluíram principalmente em função da disseminação do acabamento UV.

O acabamento por impressão UV está mais suscetível a imperfeições que o acabamento de papel FF ou de BP. Na ordem de resistência temos outros bem mais resistentes como a fórmica e a própria lâmina de madeira. Contudo, qualquer acabamento pode necessitar de reparos.

Dado o apelo comercial dos móveis com acabamento por impressão UV, temos então uma grande questão a ser observada, a integridade superficial dos produtos até a casa do cliente. Neste ponto, observamos o enorme empenho de alguns fabricantes que protegem as peças de seus móveis com isomantas, calço de polpa, bups de papelão, cantoneiras plásticas e outros.

Porém, nem todos adotam a mesma prática. Observamos que justamente nos produtos mais populares, onde seria necessária uma proteção extra, alguns fabricantes simplesmente não protegem suficientemente os produtos, por uma questão de custo da embalagem. Se o lojista paga ou não a necessária proteção, fica para uma outra discussão, mas como dizem, a corda vai estourar no lado mais fraco...dentro da casa do cliente, nas mãos do montador!

Pois bem, agora vamos para o lado do montador de móveis.  A grande pergunta é, este montador está preparado para executar pequenos procedimentos que irão viabilizar uma montagem com pequenos detalhes de acabamento?

Então chegamos ao ponto em que uma parcela dos montadores de móveis simplesmente não pratica. o retoque! Acontece que para executar o retoque alguns montadores utilizam ceras de acabamento. Não chega a ser um procedimento ruim, porém existe outro muito melhor, o retoque com canetas de acabamento.

Para cores mais simples como o branco ou preto, muitos montadores inclusive utilizam esmaltes de unha mesmo...e funciona! Mas poderia ser melhor, fabricantes como a SayerLack comercializam Kits de Restauração, que precisam ser um item obrigatório na mochila de um montador de móveis profissional.

Aquele que trabalha como funcionário precisa ser valorizado pelo lojista, já o autônomo não tem jeito, precisa bancar este custo e fazer a compra do kit. Apresentamos à seguir a correta utilização do Kit de Reparos para a correção de pequenos riscos ou detalhes.


Ou ainda


Observando o desenvolvimento do trabalho dos montadores que utilizam os kits de reparo, percebemos que trabalham com um nível de stress mais baixo porque possuem recursos para contornar problemas como os descritos. Eles conseguem resolver pequenos buracos, riscos, arranhões e até mesmo o acabamento em furos que se façam necessários devido a erros de fabricação. Como consequência da utilização deste recursos, apresentam montagens com resultados de efetividade acima da média quando comparados a um padrão geral de montagem.

Os kits de reparo possuem uma diversa gama de coloração, desde as nuances dos acabamentos madeirados, até as cores fantasias como o vermelho, azul e o amarelo. Concluindo, esperamos ter convencido todos os montadores que ainda não possuem um kit de reparos a pensar na séria possibilidade de adquiri-lo o quanto antes. Acredite, trata-se de um grande diferencial para o montador de móveis, inclusive naquele momento famoso em que a ferramenta escapa e joga contra o patrimônio. Você não precisa passar por isso...

Sucesso e boas montagens


C. Perin




26 de abril de 2015

Móveis Corporativos: Montagem de pisos elevados é uma tarefa para poucos montadores!

Montadores de móveis corporativos especializados em pisos elevados são disputados em grandes cidades

Montadores de Pisos Elevados Móveis Corporativos
Montagem de móveis corporativos é uma especialidade desafiadora para o montador de móveis profissional. Notamos que parte deste desafio vai além da montagem propriamente dita, a qual não chega a ser das mais complexas.

Na verdade, o desafio vem da variedade de habilidades exigidas para o montador de móveis. Uma primeira pergunta básica: Quantos montadores de móveis profissionais sabem "crimpar" um cabo de rede (RJ54) padrão ethernet de 8 vias par trançado? 

Não é difícil, basta conhecer o padrão da fiação e ter a ferramenta adequada. Mas afinal de contas, o que este tipo de conhecimento traz de oportunidade? Muito mesmo meus companheiros, você será requisitado e valorizado pela equipe de informática presente no local de instalação dos móveis corporativos. Será um profissional necessário além da montagem, e isto vale ouro!

Se além disso souber usar um multímetro, subiu outros preciosos pontos na escala de valor profissional. Poderá ajudar ainda mais, testando a fiação junto com estes profissionais. Claro que não precisa chegar ao ponto de conhecimento de um técnico eletricista, mas saiba que estes diferencias são extremamente valorizados e mais, são capazes de transformar a maneira pela qual os talentos envolvidos na adequação de um ambiente corporativo te reconhecem.

Particularmente conheço zeladores e responsáveis pela manutenção de condomínios empresariais com excelentes salários, que iniciaram a vida como montadores de móveis e hoje fazem muito mais do que acreditavam ser capazes. Conhecimento adquirido é algo que na pior hipótese, só faz bem...

Quem trabalha com pisos elevados precisa entender algumas particularidades, hoje em dia existem muitos conectores de fibra óptica, mesmo em instalações comerciais para cerca de 25 estações de trabalho. A tecnologia barateou muito e dependendo do fluxo de informações já desbanca os cabos ethernet em algumas aplicações.

Poucos sabem, mas com a evolução tecnológica dos pisos elevados, já se utiliza este espaço para passagem de dutos de ar condicionado inclusive, aplicação anteriormente limitada aos forros e estruturas em elevação. O montador de móveis precisa entender que o piso elevado fica apoiado sobre os chamados pedestais, que podem ser do tipo fixo ou regulável. O tipo fixo como o próprio nome diz, varia em geral de 7 a 15 centímetros de elevação, o que garante espaço mais que suficiente para a adequação o ambiente corporativo. 

A vantagem dos pedestais reguláveis (mais caros) aparece quando o piso arquitetonicamente original apresenta desníveis que não serão corrigidos. Neste caso a economia obtida na preservação do piso original justifica a diferença de preço em caráter comparativo.

A eficiência e funcionalidade estrutural deste tipo de piso são obtidas pelo intertravamento dos pedestais, que conferem com isso a desejada estabilidade horizontal e vertical do piso elevado, proporcionando um ambiente corporativo com modularidade, estabilidade e capacidade de upgrade tecnológico sem a necessidade de obras estruturais. 

Uma vez optado pelo piso elevado, a empresa estará amparada por uma capacidade de flexibilização do layout corporativo jamais sonhada, o empresário sabe que a rápida adaptação à novos processos é uma poderosa arma na busca da competitividade, ainda mais isto acontecendo com quase nenhum custo adicional além de mão de obra.

Mas enfim, o que interessa neste post é demonstrar ao montador de móveis a importância de conhecer novos horizontes. Alguns agem calados, absorvendo estes diferenciais e transformam o destino de seu futuro profissional, outros preferem ficar apenas no básico. Estamos aqui para respeitar ambas opiniões, porém com a obrigação de mostrar que o mercado de trabalho para um montador de móveis é do tamanho que ele possa desejar.

Em termos de arquitetura, atualmente o acabamento dos pisos elevados incorpora inclusive porcelanatos, diferente das antigas placas estruturais. Existem também placas de polipropileno reciclado, com excelentes características termoplásticas e ainda com o apelo ecológico do aproveitamento. Estes ainda possibilitam facilidades de recorte e instalação das caixas de conexão ou tomadas.

Certamente que a grande maioria dos montadores de móveis nunca pararam para observar de perto este mercado da montagem de pisos elevados. Mas os montadores de móveis corporativos possuem uma maior proximidade com este tipo de solução tecnológica, quase que exclusivamente adotado em edifícios e condomínios empresariais.  Por este conhecimento, tais montadores hoje desfrutam da vantagem que a informação traz. Participam de um nicho de montagem seletivo, onde são disputados e valorizados.


Sucesso a todos!

Cláudio Perin




13 de abril de 2015

Dobradiças de Caneca (Parte IV - Final): Tipos de calços, aplicações e regulagem na montagem de móveis

Dobradiças de Caneca: Os dispositivos atualmente mais difundidos nas portas dos móveis residenciais e comerciais (Parte IV - Final)

Dobradiça de Caneca
Chegamos ao último post de nosso série sobre as dobradiças de caneca. Após detalhar diversos aspectos sobre este importante acessório largamente difundido em móveis convencionais, corporativos (móveis para escritório), planejados e até mesmo em instalações comerciais, chegou o momento de concluir o assunto que mais afeta o montador de móveis, a regulagem das portas.

Desenvolvido o assunto, neste momento o montador de móveis já compreende o que é folga e recobrimento de porta, os dois grandes referenciais da regulagem de dobradiça a ser efetuada. A ideia é que a regulagem consiga representar tanto folgas como recobrimentos uniformemente distribuídos, mas isto exige que o móvel esteja em seu esquadro perfeito.

Com relação ao esquadro, o móvel poderá não estar corretamente alinhado se o piso local é irregular, se os fundos foram pregado de maneira imprecisa ou ainda se as próprias peças não foram esquadrejadas no processo de fabricação. Isto reforça a necessidade de dobradiças com recursos de regulagem.

O adequado posicionamento das portas ocorre através do ajuste nos parafusos de regulagem existentes nos calços das dobradiças, uma vez que a função da caneca é encaixar e sustentar a porta, suportando seu movimento de abertura.

O procedimento de regulagem consiste basicamente de 3 etapas, sendo que algumas dobradiças não possuem todos os recursos (parafusos) necessários ao ajuste total. Uma dobradiça com regulagem total admite movimentos de avanço de profundidade (para frente e para trás), avanço horizontal (para os lados) e avanço vertical (para cima e para baixo).

Movimentos de Regulagem da Dobradiça1) O primeiro passo para a regulagem inicia-se pelo ajuste da dobradiça verticalmente. Você pode precisar fazer isto em todas as dobradiças da porta de uma vez. Afrouxe os parafusos superiores e inferiores e mova a porta para cima ou para baixo como necessário, apertando bem os parafusos novamente. Segure a porta ao afrouxar os parafusos, ou ela pode deslizar completamente de sua posição inicial.

2) O segundo passo é ajustar a profundidade da dobradiça para dentro ou para fora. Afrouxe este parafuso e mova a porta de acordo com a profundidade desejada para o ajuste. Tente ajustar nesta direção uma dobradiça de cada vez. Vai ajudar a prevenir que o peso da porta mova ela para muito longe do ajuste desejado. Apoie a porta, especialmente se afrouxar todos os parafusos de ajuste horizontal de uma só vez.

3) O terceiro passo consiste na regulagem propriamente dita através do parafuso mostrado na figura ao qual move a dobradiça diretamente. Aperte-o (girando no sentido horário) para mover este canto da porta em direção ao quadro; afrouxe (anti-horário) para mover a porta para longe do quadro. Este ajuste pode também ser usado para corrigir uma porta que não está pendurada direito. Se a parte de cima estiver mais distante para a direita ou esquerda que o fundo, ajuste as dobradiças de cima ou de baixo separadamente para corrigir a falha.

Regulagem da Dobradiça de CanecaAgora algumas dicas valiosas durante a regulagem:

  • O ajuste deve ocorrer nas diferentes direções de maneira independente, principalmente na regulagem inicial, cujo objetivo é apenas uma primeira aproximação.
  • O ajuste das dobradiças precisa ser executado de forma gradual. O montador precisa fazer a verificação do resultado após cada volta no parafuso.
  • Ao final o montador de móveis precisa conferir se os parafusos que estão nos buracos com fendas (para os ajustes horizontais e verticais) estão firmes ao final da regulagem. Lembre-se, estes parafusos são os responsáveis simultaneamente pela regulagem bem como por suportar o peso da porta.
Concluído o processo de regulagem é importante abrir e fechar as portas, assegurando-se que tudo está conforme o que era de se esperar em um produto bem montado com as portas devidamente reguladas.


Sucesso e bom uso deste material


Cláudio Perin




11 de abril de 2015

Dobradiças de Caneca (Parte III): Tipos de calços, aplicações e regulagem na montagem de móveis

Dobradiças de Caneca: Os dispositivos atualmente mais difundidos nas portas dos móveis residenciais e comerciais (Parte III)

Calço para Dobradiças
Prosseguindo com o tema de nosso post anterior, obviamente que toda dobradiça necessita de um calço para ser fixada na lateral do móvel, e um detalhe que ajuda muito na hora de sua instalação é saber qual calço utilizar. 

Os calços são planos simples ou em ângulos, com várias possibilidades de fixações e regulagens. Cada dobradiça tem um tipo especifico de calço que a complementa, o qual geralmente possui de 3 a 4 medidas disponíveis com alturas que variam  normalmente mas não obrigatoriamente entre 0 e 8 mm.

Algo importante à saber sobre os calços, é que quanto mais alto é o calço em relação à lateral do móvel, menor é o recobrimento da porta em relação à lateral do mesmo. Um dos modelos de calço mais difundido é o do tipo Clip, normalmente plano.

Calços Lineares

Na figura à seguir, observamos em uma vista lateral, praticamente o mesmo calço, porém com diferentes parafusos de fixação.

Vista Lateral - Calços Lineares

Algumas aplicações mais complexas de montagem exigem mais do que os calços lineares poderiam oferecer, somente sendo possíveis com a utilização de calços angulares.

Calços Angulares
Os calços angulares conseguem resolver técnicas de montagem onde não seria possível a aplicação de calços lineares (planos).  Tais montagens normalmente ocorrem em módulos de canto. Os calços angulares são apelidados genericamente pelos montadores de "cunhas". Na verdade são calços angulares somente.

Para falar sobre as verdadeiras cunhas, entramos em um complemento do calço, denominado sobre-calço ou então simplesmente cunha, posicionada imediatamente abaixo do verdadeiro calço.

As diferentes possibilidades de braços de dobradiça existentes, combinadas com as diferentes medidas dos calços, complementadas pelas medidas de posição da dobradiça, aliadas aos sobre-calços, possibilitam diversos recobrimentos de acordo com a espessura do tipo de painel utilizado na porta.

Parece confuso, não? Mas é simples: Somados estes 3 elementos, dobradiças, calços e sobre-calços, temos um variado leque de possibilidades de montagens, folgas e coberturas, que trataremos à seguir.

Chegamos no momento de fazer contas. Para facilitar a vida de todos vamos disponibilizar uma tabela simples para calculo de recobrimento de portas.

Fórmula para o Cálculo de Recobrimento de Portas

Cálculo de Recobrimento

Para efeito de uma melhor compreensão dos objetivos dos cálculos, segue abaixo o resultado com os recobrimentos mais usuais encontrados nos móveis convencionais.


No próximo e conclusivo post estaremos finalizando este assunto apresentando os procedimentos de regulagem de portas e dobradiças através dos parafusos ou mecanismos de regulagem existentes.